"O que é de verdade ninguém mais hoje liga: isso é coisa da antiga" - Ney Lopes e Wilson Moreira

Elsa (Frozen) ♥

quarta-feira, 16 de maio de 2018

"Perdendo Dentes" - Pato Fu

Capa do álbum "Isopor", BMG Brasil (hoje Sony Music, 1999)

A canção "Perdendo Dentes" faz parte do quinto álbum da banda mineira de rock alternativo Pato Fu, "Isopor". Ela fala de alguém presunçoso e enrustidamente frustrado em primeira pessoa que comete um sincericídio, ou seja, agride alguém, moral e psicologicamente, com excesso de sinceridade. Hoje em dia, em tempos de redes (anti)sociais é comum ver internautas revoltados e até alguns artistas decadentes expondo suas opiniões extremamente ofensivas, apontando somente os erros dos outros e minimizando qualquer coisa e qualquer um em suas páginas ou espaço para comentários em matérias de portais de notícias. No fim, tantas brigas gratuitas e infantis não valem nada, nem um troféu como lembrança quando "vence", mas quando perde, leva mágoas pelo resto da vida, ou seja, acaba metaforicamente "agredido com os dentes quebrados".


"Perdendo Dentes"
Escrita por Fernanda Takai e John Ulhoa
Interpretada por Pato Fu
(P) 1999 BMG Brasil (hoje Sony Music Entertainment Brasil)



Pouco adiantou
Acender cigarro
Falar palavrão
Perder a razão

Eu quis ser eu mesmo
Eu quis ser alguém
Mas sou como os outros
Que não são ninguém

Acho que eu fico mesmo diferente
Quando falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
E uso as palavras de um perdedor

As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei

As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Nos deixou aos 86 anos o cineasta Roberto Farias

O cineasta foi responsável por dirigir a trilogia de filmes estrelados pelo rei Roberto Carlos


Roberto Farias (1932-2018)


O cineasta Roberto Farias morreu na manhã desta segunda-feira, 14 de maio, aos 86 anos. Há cinco anos ele lutava contra o câncer de próstata.
Ele realizou clássicos do cinema brasileiro, como "Assalto ao Trem Pagador" (1962) e "Pra Frente Brasil" (1982), este estrelado pelo seu irmão, Reginaldo Faria, além de ter feito o primeiro registro jornalístico do carnaval carioca em 1965 pela Rede Globo em sua fase experimental, poucos dias antes da sua inauguração (clique aqui). Seu primeiro trabalho foi com a comédia musical "Rico Ri à Toa" em 1957 para a Brasil Vita Filmes.
Roberto Farias também foi responsável por três filmes estrelados por Roberto Carlos: "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura" (1967), "Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa" (1970) e "Roberto Carlos a 300 Quilômetros Por Hora" (1971). Em sua página oficial no Facebook e no Instagram, Roberto Carlos pronunciou sobre a morte do diretor: "Roberto Farias foi responsável pela direção dos três filmes em que atuei no final dos anos 60, começo dos anos 70. Desse convívio, nasceu uma amizade e um respeito muito grande entre nós. Além de grande diretor, era uma pessoa de muitas qualidades, amável, espirituoso, enfim, um cara muito bacana. Que nosso Deus de bondade te proteja e te abençoe".

Leia também minha postagem sobre os 50 anos do filme "Roberto Carlos em Ritmo de Aventura"
http://jotadejeane.blogspot.com.br/2017/10/os-50-anos-do-filme-roberto-carlos-em.html

Roberto Carlos e Roberto Farias durante as gravações de  "Roberto Carlos a 300 Quilômetros Por Hora" em 1971.


Livros "Pollyanna" e "Pollyanna Moça"


No ano passado eu comprei os livros "Pollyanna" e "Pollyanna Moça" em novas edições (como na foto acima) lançados em 2016 pela Editora Autêntica e traduzidos por Márcia Soares Guimarães. Comprei por curiosidade, já que a vida inteira ouvi tanto falar neste livro e, nos tempos de escola, eu via meninas com o livro, aquele lançado pela Companhia Editora Nacional (edição de 1983) e traduzido por Monteiro Lobato (1882-1948).
Escrito por Eleanor Hodgman Porter (1868-1920), o livro sobre a menina que enxerga a vida com extremo otimismo foi publicado em 1913 e se tornou um dos clássicos da literatura infanto-juvenil. O livro vendeu um milhão de cópias naquele ano e desde então vem sendo um dos mais lidos em vários países.  O sucesso foi tanto que Eleanor H. Porter lançou dois anos mais tarde a sequência "Pollyanna Moça" ("Pollyanna Grows Up"), outro sucesso atemporal.
Órfã de pais, Pollyanna se muda para outra cidade para morar na casa de uma tia rica e ríspida que não havia conhecido sua sobrinha até então. No seu novo lar, ela ensina às pessoas o "jogo do contente" que havia aprendido com seu pai. A regra do jogo é extrair algo de bom e positivo em tudo, inclusive nas coisas aparentemente mais desagradáveis. Alguns leitores podem até torcer o nariz para o livro pelo fato de a protagonista ser piegas e preferir estar sempre "com a cabeça nas nuvens".
"Pollyanna" ganhou várias adaptações. Em 1916 ganhou uma peça na Broadway. Sua primeira versão cinematográfica foi em 1920, o ano da morte de Eleanor H. Porter, sob a direção de Paul Powell (1881-1944), porém a mais popular foi a de 1960 produzida pelos Estúdios Disney e dirigida por David Swift (1919-2001). No Brasil, a extinta TV Tupi produziu uma telenovela em 1956 que seria a primeira no país destinada ao público infantil inspirada no livro e, agora em 2018, o SBT vai estrear "As Aventuras de Poliana" a partir desta quarta-feira, 16 de maio.

domingo, 13 de maio de 2018

"A Fraternidade e o Negro: Ouvi o Clamor Deste Povo" - Hino da Campanha da Fraternidade 1988


Hoje, dia 13 de maio, dia da Abolição da Escravatura, eu gostaria de relembrar o hino da Campanha da Fraternidade de 1988 cujo tema era "A Fraternidade E O Negro"  com o lema "Ouvi O Clamor Deste Povo" lançada pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB. Era o ano do centenário da Abolição da Escravatura. Embora fosse assinada a Lei Áurea pela Princesa Isabel (Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bourbon e Bragança, 1846-1921) para que nós negros sejamos livres, a desigualdade racial infelizmente existe até hoje. O objetivo geral da Campanha era "assumir com redobrado empenho a nobre luta pela justiça e contra qualquer tipo de preconceito, racismo e ou discriminação" (site da CNBB).
Com o arranjo influenciado nos ritmos afrodescendentes e letra que fala do negro rigidamente escravizado, mas com fé e esperança pela liberdade, este belo hino da Campanha da Fraternidade de 30 anos atrás foi composta por Padre Cireneu Kuhn na parte melódica e por José Thomaz Filho na parte lírica.

"Introito" (Canto de Entrada)
(hino da Campanha da Fraternidade 1988)
Tema: "A Fraternidade E O Negro" / lema : "Ouvi O Clamor Deste Povo" 
Música de Padre Cireneu Kuhn, SVD (São Paulo)
Letra de José Thomaz Filho (Petrópolis, RJ)
Interpretada por CANTAFRO da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de São Paulo, com a colaboração de Wilma Maria Tereza, Edmir e Ricardo.
Regência de Estevão Maya
Técnicos de gravação e mixagem: Diogo Ávila e Tano
Gravado nos Estúdios COMEP, Comunicação Edições Paulinas, São Paulo.
(P) 1987 CNBB, Confederação Nacional dos Bispos do Brasil
sob a fabricação de GEL, Gravações Elétricas S.A/ Discos Continental (hoje Warner Music - Divisão Continental)




1- Olha, que eu vim lá de longe
Perdendo raízes, enchendo porões
Olha, cruzei tantos mares
Pisei novas terras, sofrendo grilhões

[refrão]
Mas meu canto bonito
Mas meu canto bonito
Nem dor, nem corrente jamais abafou, ô ô ô
Nem dor, nem corrente jamais abafou, ô ô ô
Pois ser livre eu queria
Pois ser livre eu queria
Meu Deus, és a força de quem confiou, ô ô ô
Meu Deus, és a força de quem confiou, ô ô ô

2- Olha, vendido em leilão
Moído em engenhos, plantei meu suor
Olha, nos campos roçados
Reguei com meu sangue, meu sonho maior

3- Olha, eu venho sofrido
Com todo oprimido cantar sem temor
Olha, que vem tempo novo
Trazer para o povo um dia melhor

4- Olha, rompendo correntes
Pra nós, liberdade enfim vai chegar
Olha, trazendo esperança
O Deus da aliança nós vamos cantar

sábado, 5 de maio de 2018

Chamada de Elenco de "As Aventuras de Poliana" do SBT


Já está disponível o vídeo da chamada de elenco da novela "As Aventuras de Poliana" que  vai estrear no dia 16 de maio às 21 horas no SBT. A chamada vem sendo exibida pela emissora desde quinta-feira, 3 de maio, com a música de fundo que possivelmente será o tema de abertura da novela infantil escrita por Iris Abravanel.
Segundo o site RD1 - Audiência da TV (clique aqui), "As Aventuras de Poliana" já acumula mais 2 milhões de visualizações em seu canal oficial no YouTube antes mesmo de estrear. O número surpreende, já que até agora apenas as chamadas foram disponibilizadas no canal.

sábado, 28 de abril de 2018

Chamada de "As Aventuras de Poliana" tem Larissa Manoela e samba de Silas de Oliveira e Joaquim Ilarindo



O SBT divulga mais uma chamada de estreia da nova novela infantil "As Aventura de Poliana". Agora com uma das principais estrelas do público infanto-juvenil, Larissa Manoela. Ela faz o papel de Mirella, melhor amiga de Raquel (Isabella Moreira), mas que ambas têm comportamentos diferentes. Como se não bastasse, elas se apaixonam pelo mesmo rapaz, Guilherme (Lawrran Couto). Outro detalhe na chamada é a música de fundo que é executada entre 13 e 30 segundos do vídeo abaixo, a introdução da releitura de "Meu Drama (Senhora Tentação)" (de Silas de Oliveira e Joaquim Ilarindo, 1955).
Escrita pela autora Íris Abravanel e com a diração-geral de Reynaldo Boury, a nova novela do SBT, "As Aventuras de Poliana", é uma história inspirada no clássico da literatura infantojuvenil de 1913, "Pollyana", de Eleanor H. Porter (1868-1920). Segundo o site Observatório da Televisão, "As Aventuras de Poliana estreará no dia 16 de maio, numa quarta-feira.



Divulgada a chamada com a Myrian Rios na novela "As Aventuras de Poliana" do SBT



A personagem da atriz Myrian Rios já é apresentada na nova chamada da novela "As Aventuras de Poliana" (vídeo abaixo). Ela é Ruth Goulart, uma atormentada diretora da escola de artes que leva o seu nome, onde Poliana (Sophia Valverde) se inscreve.
Segundo o site Observatório da Televisão, "As Aventuras de Poliana estreará no dia 16 de maio, numa quarta-feira, no SBT.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Recordar é viver: as propagandas mais louconas do Teleshop [011-1406]


Lembram daquelas propagandas involuntariamente engraçadas de produtos internacionais da década de 1990 que eram revendidas no Brasil através do telefone 011-1406? Eram os tais infomerciais, que costumavam quebrar o protocolo de duração de 30 segundos das propagandas comuns e que vendiam produtos ao estilo dos atuais comerciais da Polishop. No Brasil, produtos como Facas Ginsu e meias Vivarina tiveram durante anos suas propagandas exibidas através dos infomerciais do extinto Grupo Imagem, especialmente os que eram exibidos na também extinta Rede Manchete. A propaganda enfatizava o número (011) 1406 ("zero-onze-quatorze-zero-meia"), que serviu de inspiração à música "1406" (de Dinho e Julio Rasec, 1995) dos Mamonas Assassinas na qual a banda, além de fazer uma crítica óbvia ao consumismo, cita de forma irônica alguns produtos vendidos pelo telefone.
Mas o que havia de espirituoso nisso? Muitos desses infomerciais nos davam aquela sensação de espanto e desconfiança de tão surreais _e divertidos, mesmo sem propósito_ que eram. Segundo o Wikipédia, por causa dessa natureza sensacionalista da propaganda e da natureza questionável de alguns produtos, defensores do direito do consumidor recomendavam investigação cuidadosa dos patrocinadores do infomercial, dos produtos que vinham sendo divulgados e de possíveis reclamações antes de efetuar uma compra.
Mas que dá saudade dessas propagandas só pra rir delas, dá. Segue a lista e se acabe de rir! :D

1- Sonic 2000 (Aparelho auditivo)


"Você pode me ouvir?"
"Sim, escuto claro e forte!"
A Sonic 2000 faz com que você tenha uma qualidade de audição superior a de uma cobra ou de um super-herói. Uma das frases mais célebres da propaganda em versão dublada é: "Uau! Eu conxegui ouvir a agulha caindo do outro lado da xala!". O aparelho auditivo é tão avançado que a propaganda adverte em nome das boas maneiras:"Atenção: é proibido ouvir conversações de terceiros sem autorização das partes". Ah, tá.
Se por um lado, a desvantagem da Sonic 2000 faz com que sejamos mal-educados mesmo involuntariamente ouvindo a conversa alheia, do outro, com o aparelho, a falsidade de gente fofoqueira que fala mal de nós pelas costas teria seus dias contados. Ha-ha-ha!

Uau! Eu conxegui ouvir a agulha caindo do outro lado da xala!




2- Facas Ginsu 2000



Sua propaganda produzida em 1991 é a mais clássica de todas,a rainha do Teleshop e do saudoso Grupo Imagem. Ela garante que as facas Ginsu 2000 cortam até o pensamento, tanto que eu me lembro da paródia do pessoal do Casseta e Planeta na época. Logo no começo do vídeo, se prestássemos bem a atenção, o peixe que o japonês [foto] "corta" já está cortado! É treta!



3- Óculos Ambervision


Mormaii ,Ray-Ban, Roberto Cavalli, Giorgio Armani e Speedo tremeriam diante deles. Os óculos Ambervision bloqueiam raios desfocados e nocivos e até 100% de raios UV. Usar essa porcentagem em propagandas de produtos para garantir sua qualidade seria proibido nos dias de hoje. E mais: Ambervision faz com que você tenha uma visão de águia, ou seja, sem o menor esforço para enxergar melhor e mais longe. Uau!



4- Ferro de passar a vapor Frattina



Ferro a Vapor Frattina. Caramba, que ferro de passar é esse que não precisa esquentar, não queima a roupa e a pele e não estoura a bexiga ao encostar nela?



5- Travesseiros Contour Pillow



Enquanto os outros travesseiros que a gente compra em lojas de cama-mesa-banho nos deixam com má postura que gera torcicolo e dor nas costas e fazem com que rolamos na cama a noite inteira, os Travesseiros Rivotril, ops, Travesseiros Contour Pillow fazem com que a gente relaxe a noite inteira e acorde renovada e com mais energia.



6- Caneta Penalli Fountain Pen




A "caneta assassina" Penalli Fountain Pen, além de escrever, também serve para furar lata de bebidas e brincar de dardo com ela. Saca só nas informações:

*Escreve em qualquer direção  (?)
*Serve para canhotos ou destros (??)
*Tem a versão feminina da caneta (???)




7- Meia-calça Vivarina





A incrível meia-calça Vivarina não desfia com garfos, lixa de unha, pedra-pomes, unha de gato de estimação ou estourando balões através dela. E a pergunta que não quer calar feita por muitos internautas hoje em dia: as meias Vivarina resistem às Facas Ginsu 2000? E eu acrescentaria: "e com a Penalli Fountain Pen, a caneta assassina?"




8- Esfregão




O Teleshop apresenta o Esfregão mágico (e fictício) que faz as sujeiras mais repugnantes desaparecerem incrivelmente, mesmo sem lavá-lo. Tanto que, para apresentá-lo, precisa de uma plateia para aplaudi-lo. OOOH! Como diz o título do vídeo seguinte, é rir para não chorar!




terça-feira, 17 de abril de 2018

"Bodas de Ouro" (1997) - Em memória de Dona Ivone Lara (1921-2018)



Hoje o samba alvoreceu triste. Nesta noite do dia 16 de abril morreu por insuficiência cardiorrespiratória a cantora e compositora Dona Ivone Lara, a Primeira Dama do Samba e a Rainha do Samba. Yvonne da Silva Lara foi a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores de escola de samba com "Os Cinco Bailes da História do Rio" (1965) junto ao Silas de Oliveira (1916-1972) e Bacalhau para a Império Serrano, sua escola de coração, onde começou sua carreira artística em 1947. Só em 1970 que gravou seu primeiro disco (que na verdade era coletivo), "Sambão 70" (Copacabana, hoje subsidiária da Universal Music). Escrevia sambas e, simultaneamente, formada em enfermagem e serviço social com especialização em terapia ocupacional, trabalhou em hospitais psiquiátricos até se aposentar dessa área em 1977, a partir de quando passou a dedicar-se inteiramente na música. Em uma reportagem do Jornal O Folha em 1998 (clique aqui), a artista justificava a demora para gravar um disco: "É que eu trabalhava como enfermeira formada, funcionária pública. Não queria compromisso com contrato, com a vida artística. Só no Carnaval ficava mais em evidência".
Em 1997, Dona Ivone Lara havia lançado um belo álbum comemorativo dos seus 50 anos de carreira, o "Bodas de Ouro" pela Sony Music. Foi o primeiro lançado na era do CD da discografia da cantora e compositora. Nesta obra-prima produzida pelo Rildo Hora, Dona Ivone canta em parceria com vários artistas, como Gilberto Gil, Djavan (um dos belos duetos do álbum, "Sonho Meu"), Martinho da Vila, Zeca Pagodinho e Ataulpho Jr (1943-2017). 

BODAS DE OURO
Dona Ivone Lara
(P) 1997 Columbia Records / Sony Music Entertainment Brasil
Clique no link seguinte para ouvir o CD na íntegra:
https://www.youtube.com/watch?v=x5Z09mDBeIk

1 Samba de roda pra Salvador (Não chora meu bem) 
Participação especial de Gilberto Gil (gentilmente cedido pela Warner Music)
Escrita por Ivone Lara

2 Alguém me avisou
Participação especial de Araketu
Escrita por Ivone Lara

3 Não chora neném
Participação especial de Martinho da Vila
(Ivone Lara)

4 Sonho meu
Participação especial de Djavan
Escrita por Ivone Lara e Délcio Carvalho

5 Candeeiro da vovó 
Participação especial de Danilo Caymmi (gentilmente cedido pela EMI Music / hoje Universal Music)
Escrita por Ivone Lara e Délcio Carvalho
MÚSICA INCIDENTAL: "Oração da Mãe Menininha" (escrita por Dorival Caymmi)

6 Mas quem disse que eu te esqueço 
Participação especial de Zeca Pagodinho (gentilmente cedido pela PolyGram/ hoje Universal Music)
Escrita por Ivone Lara e Hermínio Bello de Carvalho

7 Acreditar 
Participação especial de Adryana Ribeiro
Escrita por Ivone Lara e Délcio Carvalho

8 Sorriso negro
Participação especial de Isabel Filardis e Toni Garrido
Escrita por Jorge Portela, Adilson Barbado e Jair de Carvalho)

9 Força da imaginação
Participação especial de Beth Carvalho (gentilmente cedido pela PolyGram/ hoje Universal Music)
Escrita por Caetano Veloso

10 Enredo do meu samba - Participação especial de Almir Guineto (gentilmente cedido pela RGE)
Escrita por Ivone Lara e Jorge Aragão
Mel da boca
Escrita por David Correa

11 O samba não pode parar - Participação especial de Ataulpho Alves Jr.
Escrita por Paulo George, Dilce Coutinho e Fabrício do Império
Leva meu samba
Escrita por Ataulfo Alves
Na cadência do samba
Escrita por Ataulfo Alves, Paulo Geta e Matilde Alves

12 Alvorecer 
Participação especial de Netinho de Paula (Negritude Jr.) (gentilmente cedido pela EMI Music/ hoje Universal Music)
Escrita por Ivone Lara e Délcio Carvalho

13 Bodas de ouro 
Escrita por Ivone Lara e Paulo César Pinheiro

sexta-feira, 30 de março de 2018

Clássicos da Música Católica 02 - "Antes da Morte e Ressurreição de Jesus" (canto de comunhão)

Postagem de Sexta-feira Santa



Quando eu fazia catequese, ainda criança, eu e os outros catequizandos cantávamos muito esta música no período pascal como canto de comunhão. Recentemente eu me lembrei desta música através de uma cena do documentário da Maria Bethânia em que muitos fiéis cantavam durante uma procissão exibida no longa sobre a cantora.
"Antes da Morte e Ressurreição de Jesus" é um canto de comunhão cuja letra foi feita por Dom Carlos Alberto Navarro (30 de outubro de 1931  — 2 de fevereiro de 2003) e do músico cearense Waldeci Farias (in memorian) na parte melódica. Mais informações sobre Waldeci Farias, acesse:
http://www.trofeulouvemos.com/homenagem-postuma-do-trofeu-louvemos/



1. Antes da morte e ressurreição de Jesus, Ele, na Ceia, quis se entregar: deu-se em comida e bebida pra nos salvar.

[Refrão]
E quando amanhecer, o dia eterno, a plena visão,
Ressurgiremos por crer, nesta vida escondida no pão.

2. Para lembrarmos a morte, a cruz do Senhor, nós repetimos, como Ele fez: gestos, palavras, até que volte outra vez.

3. Este banquete alimenta o amor dos irmãos, e nos prepara a glória do céu: Ele é a força na caminhada pra Deus.

4. Eis o Pão vivo mandado a nós por Deus Pai! Quem o recebe, não morrerá: no último dia vai ressurgir, viverá.

5. Cristo está vivo, ressuscitou para nós! Esta verdade vai anunciar, a toda terra, com alegria a cantar.

Clássicos da Música Católica 01 - "Te Amarei, Senhor"

Postagem de Sexta-Feira Santa 




Quem é católico sente que pelo menos uma música executada na missa marca sua vida. Muitas delas marcou a minha e uma é da qual eu falarei agora: "Te Amarei, Senhor" (1997). Na minha adolescência, mesmo contra a vontade (além de ser a fase da "aborrecência", eu tinha tamanha dificuldade de aprender o sentido das coisas. Se eu já tinha dificuldade de aprendizado na escola, o que justifica o meu desempenho não muito bom nos estudos, imagine ao tentar entender as leituras e o Evangelho...), eu e meu irmão fomos levados pelos nossos pais à igreja do bairro onde moramos e a capela cantava muito essa música. Eu lembro que na noite da Sexta-Feira da Paixão de 1999, no dia 2 de abril (como eu lembro? Eu não lembro, procurei pelo calendário do ano no Google 😆), nós quatro,eu aos 17 anos, fomos para ver a encenação da Paixão de Cristo no Estádio Marcílio Dias daqui de Itajaí (naquela década todo ano havia encenação da Sexta-Feira Santa aqui na minha cidade) e uma banda carismática abria a encenação que era feita no campo e os espectadores ficavam na arquibancada. No repertório desta banda incluía a canção "Te Amarei, Senhor".Um momento engraçado daquela noite é que, enquanto a música estava sendo cantada pelo grupo, uns jovens atrás da gente certamente da minha idade faziam palhaçadas, uma delas era imitar as vozes em falsete da turma dos Teletubbies, uma série infantil anglo-americana que no Brasil era exibida nas manhãs da TV Globo e que era a sensação na época entre as crianças de até 6 anos (eu confesso que eu adorava). E eu cobria a minha boca com as mãos  e abaixava um pouco a cabeça para ninguém perceber que eu estava rindo das mocinhas e rapazes atrás.
"Te Amarei, Senhor" foi gravada originalmente por Antônio Kater Filho, teólogo, escritor e compositor (este que foi o professor do Padre Marcelo Rossi) e Maria do Rosário, cantora católica e apresentadora do programa "Brasil Cristão" que vai ao ar todas as terças-feiras às 20:30h na Rede Século 21. Este registro está no CD "Louvemos o Senhor Volume 9" (ouvi no Spotify e é realmente lindo) lançado pela gravadora Paulinas/COMEP em 1997. Eu não estou certa de quem escreveu a música. A internet diz que foi o Padre Zezinho. Um site em slideshare de cifras de cantos para missa diz que é do Frei Luiz Turra. Enquanto está dúvida a respeito do autor não se esclarece, a letra reflete como é essencial a presença de Jesus Cristo em nossa vida e faz com que fizéssemos uma autoanálise de como reagiríamos com o convite de Deus-Filho. Preciso dizer mais?
Recentemente a música foi regravada pela banda Santhuário com a participação da Irmã Kelly Patrícia. (clique aqui)

Fontes:
Revista Istoé - "O Marqueteiro dos Católicos" (Sobre Antônio Kater Filho)
https://istoe.com.br/3780_O+MARQUETEIRO+DOS+CATOLICOS+/

Slideshare - "Livro de Cantos da Congregação"
https://pt.slideshare.net/antoniarosacorrea/livro-de-cantos-da-congregao

Vídeo: gravação original de "Te Amarei, Senhor" (1997)

Me chamaste para caminhar na vida contigo,
Decidi para sempre segui-te, não voltar atrás. 
Me puseste uma brasa no peito e uma flecha na alma, 
é difícil agora viver sem lembrar-me de ti. 

[Refrão]
Te amarei, Senhor.
Te amarei, Senhor 
Eu só encontro a paz e a alegria bem perto de ti (2x) 

Eu pensei muitas vezes parar e não dar nem resposta. 
Eu pensei na fuga esconder-me, ir longe de ti, 
Mas tua força venceu e ao final eu fiquei seduzido. 
É difícil agora viver sem saudades de ti. 

[Refrão]

Ó Jesus, não me deixes jamais caminhar solitário, 
Pois conheces a minha fraqueza e o meu coração. 
Vem ensina-me a viver a vida na tua presença, 
No amor dos irmãos, na alegria, na paz, na união



ATUALIZADO NO DIA 6 DE ABRIL DE 2018
Eu fui ensaiar na casa de uma amiga para a missa e ao procurar por cantos em livros de músicas católicas vi que em um desses livros, o do "Deus Conosco", identificava os compositores de cada canção. Procurei por "Te Amarei, Senhor"(erroneamente intitulado como "Me Chamaste Para Caminhar") e finalmente descobri que o autor na verdade era ALFRED MERCIECA (no livro foi grafado com "Alfred Mercica")

domingo, 18 de março de 2018

O documentário "Vem" de Mallu Magalhães


Lançado no dia 6 novembro do ano passado, o documentário "Vem" da cantora Mallu Magalhães é sobre a turnê de seu mais recente álbum que leva o nome do curta-metragem de 18 minutos de duração. "Vem" já está disponível com canal oficial da cantora no YouTube em parceria com a Vevo.
O filme mostra os bastidores do show e os poemas inéditos da cantora, compositora e instrumentista paulistana. Sem falar na trilha sonora composta pela própria Mallu. Veja!




sábado, 10 de março de 2018

Irmã Cristina Scuccia lança o single "Felice"




Adivinhe quem está de volta? Sim, a Irmã Cristina Scuccia, ou Suor Cristina Scuccia. A freira-cantora que venceu o The Voice Itália em 2014 divulga o seu mais novo single, "Felice", autoria de Andrea Bonomo e  Gianluigi Fazio e produção de Elvezio Fortunato (Velvet Music, site italiano). O álbum homônimo será lançado pela Universal Music a partir do dia 23 de março. Ainda ontem, 9 de março, já foi lançado o videoclipe. Veja e fique feliz!


Festa de Lançamento do "Clube do Samba" (Fantástico, 1979)

"Meninos da Mangueira" - Ataulpho Jr. e Diogo Nogueira no programa "Samba da Gamboa" na TV Brasil